7 SEGREDOS PARA CRIAR CRIANÇAS MAIS FELIZES.

Sem título
Grupo AE Perseverança de Jundiaí

 Todos os pais sabem o que querem para os filhos. Ou pelo menos assumem que sabem e acreditam que estão a educá-los e, prepará-los para o futuro de forma a atingirem os objetivos planejados. Mas já pensou verdadeiramente nesta questão?

Não assuma que sabe a resposta. Faça um exercício simples, passe um dia a pensar na pergunta: O que é que eu realmente quero para os meus filhos?

Continue lendo 7 SEGREDOS PARA CRIAR CRIANÇAS MAIS FELIZES.

RESPONSABILIDADE SOCIAL

Mara 2011 (2) (2)
Mara Silvia Menezes Presidente Conselho Deliberativo

Hoje convido você para refletir sobre RESPONSABILIDADE SOCIAL.

-Em sua concepção, o que é responsabilidade social?
-Questionando sobre isto, onde começa a responsabilidade de cada pessoa? Certamente em nossa sociedade o próximo mais próximo é a maior responsabilidade de cada um de nós. Mas podemos continuar: – será que este conceito não estará intimamente ligado a limites? Aonde começa o espaço do outro, termina meu direito?. Vamos pensar em um fazendeiro que tenha em suas terras uma nascente d”água que ele domina e manipula para conduzir as águas de acordo com seus interesses, não permitindo que elas sigam seu curso natural banhando as terras vizinhas, beneficiando outros campos… podemos dizer que isto é um comportamento social irresponsável e, seguramente, antiético. Assim fica claro que os comportamentos de RESPONSABILIDADE SOCIAL não estão ligados a ações que visam apenas a mim e aos meus, mas àquelas que contribuem, de alguma forma, com minha comunidade, com meu país, com meu planeta.

Continue lendo RESPONSABILIDADE SOCIAL

A FAMÍLIA NA REINSERÇÃO SOCIAL

11140755_1557915144488942_3046459034699717398_n
HAROLDO J. RAHM, SJ – PRESIDENTE EMÉRITO DO INSTITUTO PADRE HAROLDO E DO AMOR-EXIGENTE

   A participação da família no momento da reinserção social é de suma importância. Não só de familiares, mas de amigos também. Entenda-se por amigos aquelas pessoas que apóiam o indivíduo antes e durante o tratamento. Mesmo quando o dependente químico ainda está na ativa (fazendo uso de substâncias químicas), são essas pessoas – familiares, cônjuges e amigos – que influenciam positivamente.

A partir do momento em que elas procuram ajuda já começam a trabalhar os limites e as mudanças de comportamento, o que vai colaborar, e muito, na segurança para o retorno do indivíduo à sua casa.

Uma mudança muito importante no processo da Reinserção é a abstinência química da família. Por exemplo, é inacreditável o número de famílias que recebem o indivíduo de volta para casa com churrascos banhados a cerveja.

Continue lendo A FAMÍLIA NA REINSERÇÃO SOCIAL